EnglishPortugueseSpanish

Blog da Autora

selmagsantaa

Selma G. Santana

Sou Selma Gomes Santana, libriana, nasci em Sobradinho/DF, porém, passei toda a minha infância, adolescência e juventude em Planaltina/DF. Atualmente resido em Águas Claras/DF. Tenho um Filho de 22 anos, Achilles Santana do Nascimento.

 

Me formei em Administração e Gestão Pública, mas é na literatura que encontrei a minha verdadeira vocação. Amo escrever. Escrevo poemas, histórias lúdicas com a intenção de agregar valores de ética, de solidariedade, de amor ao próximo… Mostrar ao leitor que é possível narrar histórias sem violência é o meu propósito maior.

Acredito que através da literatura, podemos transformar o mundo! E, é neste contexto, que trago como meta em meus textos, o ideal de um mundo melhor.

Penso que o conhecimento nos torna livres!

Penso que o livro é uma das ferramentas que constrói a liberdade do indivíduo, de um povo, de uma nação… Um mundo onde a liberdade se expressa de forma inteligível e racional, sempre caminhando em direção a paz.

Meus textos têm como objetivo, mostrar que é possível contar histórias sem incluir cenas de violência.

Trazer agora para o presente através da escrita criativa e de forma lúdica, perspectivas de uma vida mais pacífica.

Acredito que ensinando, lançando novos pensamentos de ética aos nossos filhos, o enredo atual, que ora ofusca nossa sociedade como um todo, limpar-se-á, como o sol que rasga a tela do céu num dia acinzentado e tempestuoso. Pode ser assim no futuro que espera por nossos descendentes.

Ao acendermos no palco da vida, os holofotes do bom senso, da sabedoria e do equilíbrio dos nossos sentimentos e consequentemente de nossas reações, seremos como: civilização, nação, sociedade, família, MUITO MELHORES!

Selma G. Santana

Leia Mais Voltar

Você com a Vida

Ei, o que está esperando para ser feliz? Resolva ser feliz Ser feliz é uma questão de atitude: Pare com a autopiedade Assuma os resultados

Saiba Mais

Sabor de vento

Ventos… Do Sul ou do Norte Do Leste ou oeste Ventos são sempre os mesmos, Abstratos ao toque, concretos em percepções Mudam em velocidade e

Saiba Mais

A tormenta do ego.

Virou do avesso, não sou mais eu. Estragou tudo, azedou, forçou, empurrou a porta. Me deparei comigo mesma, ouvi um canto no canto da parede

Saiba Mais